terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Jornalista desabafa sobre polêmica de seu comentário sobre jovem preso a poste

Jornalista desabafa sobre polêmica de seu comentário sobre jovem preso a poste

Imagem: Reprodução/Yvonne Bezerra de Mello/Arquivo Pessoal
 
 
A jornalista Rachel Sheherazade, âncora do jornal ‘SBT Brasil’, conhecida por suas opiniões fortes, gerou muita polêmica em vários segmentos da sociedade ao falar sobre o episódio de um adolescente, de 15 anos, ter sido preso pelo pescoço com uma tranca de bicicleta, a um poste no Aterro do Flamengo, Zona Sul do Rio de Janeiro. Segundo relatos, o ato foi praticado por “justiceiros”. Clique aqui e assista ao comentário da jornalista.
 
Entenda o caso
 
Segundo matéria publicada no G1, o menor, que tem três passagens na polícia por roubo e furto, foi levado no dia da agressão com lesões corporais para o Hospital Souza Aguiar, mas acabou fugindo da instituição. Pouco tempo depois, ele se apresentou espontaneamente a um abrigo da Prefeitura. De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Social, o adolescente foi transferido para uma unidade de menores infratores na Zona Norte, porque há um mandado de busca e apreensão contra o mesmo.
Além da exibição de uma justificativa de seu comentário no próprio jornal ‘SBT Brasil’, a jornalista publicou na coluna Opinião, do site da Folha, nesta terça-feira (11) uma resposta sobre sua fala.
 
 
Leia na íntegra:  
 
Imagem: Divulgação/SBT
 
Ordem ou barbárie? 
 
O fenômeno da violência é tão antigo quanto o ser humano. Desde sua criação (ou surgimento, dependendo do ponto de vista), o homem sempre esteve dividido entre razão e instinto, paz e guerra, bem e mal.
 
Há quem tente explicar a violência, a opção pela criminalidade, como consequência da pobreza, da falta de oportunidades: o homem fruto de seu meio. Sem poder fazer as próprias escolhas, destituído de livre-arbítrio, o indivíduo seria condenado por sua origem humilde à condição de bandido. Mas acaso a virtude é monopólio de ricos e remediados? Creio que não.
 
Na propaganda institucional, a pobreza no Brasil diminuiu, o poder de compra está em alta, o desemprego praticamente desapareceu… Mas, se a violência tem relação direta com a pobreza, como explicar que a criminalidade tenha crescido em igual ou maior proporção que a renda do brasileiro? Criminalidade e pobreza não andam necessariamente de mãos dadas.
 
Na semana passada, a violência (ou a falta de segurança) voltou ao centro dos debates. O flagrante de um jovem criminoso nu, preso a um poste por um grupo de justiceiros deu início a um turbilhão de comentários polêmicos. Em meu espaço de opinião no jornal “SBT Brasil”, afirmei compreender (e não aceitar, que fique bem claro!) a atitude desesperada dos justiceiros do Rio.
 
Embora não respalde a violência, a legislação brasileira autoriza qualquer cidadão a prender outro em flagrante delito. Trata-se do artigo 301 do Código de Processo Penal. Além disso, o Direito ratifica a legítima defesa no artigo 23 do Código Penal.
 
Não é de hoje que o cidadão se sente desassistido pelo Estado e vulnerável à ação de bandidos. Sobra dinheiro para Cuba, para a Copa, mas faltam recursos para a saúde, a educação e, principalmente, para a segurança. Nos últimos anos, disparou o número de homicídios, roubos, sequestros, estupros… Estamos entre os 20 países mais violentos do planeta. E, apesar das estatísticas, em matéria de ações de segurança pública, estamos praticamente inertes e, pior: na contramão do bom senso!
 
Depois de desarmar os cidadãos (contrariando o plebiscito do desarmamento) e deixá-los à mercê dos criminosos, a nova estratégia do governo, por meio do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, é neutralizar a polícia, abolindo os autos de resistência.
 
Na prática, o policial terá que responder criminalmente por toda morte ocorrida em confronto com bandidos. Em outras palavras, é desestimular qualquer reação contra o crime. Ou será que a polícia ousará enfrentar o poder de fogo do PCC (Primeiro Comando da Capital) ou do CV (Comando Vermelho) munida apenas de apitos e cassetetes?
 
Outra aliada da violência nossa de cada dia é a legislação penal: filha do “coitadismo”; e mãe permissiva para toda sorte de criminosos. Presos em flagrante ou criminosos confessos saem da delegacia pela porta da frente e respondem em liberdade até a última instância.
 
No Brasil de valores esquizofrênicos, pode-se matar um cidadão e sair impune. Mas a lei não perdoa quem destrói um ninho de papagaio. É cadeia na certa!
 
O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Estatuto da Impunidade, está sempre à serviço do menor infrator, que também encontra guarida nas asas dos direitos humanos e suas legiões de ONGs piedosas. No Brasil às avessas, o bandido é sempre vítima da sociedade. E nós não passamos de cruéis algozes desses infelizes.
 
Quando falta sensatez ao Estado é que ganham força outros paradoxos. Como jovens acuados pela violência que tomam para si o papel da polícia e o dever da Justiça. Um péssimo sinal de descontrole social. É na ausência de ordem que a barbárie se torna lei.
 
Rachel Sheherazade é evangélica desde os 23 anos. Hoje, aos 40 anos, é casada e mãe de um casal de filhos.
 
Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.
 
Fonte: Folha e G1
 
Fonte via:
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário