"Como posso engatar ou ser engatado? E ultrapassada essa questão: como ter uma aventura sexual num espaço público sem ser visto? A estas e outras questões promete dar respostas o primeiro workshop sobre engate e sexo em Portugal, esta segunda-feira à noite, em Lisboa, inserido no movimento 'Primavera Global'."
Segundo o lóbi político homofascista, “democratizar as cidades” é fazer sexo grupal em locais públicos.
Esta obsessão com o sexo em locais públicos confirma aquilo que eu já tinha escrito aqui: a identidade do gay consiste apenas no seu desejo sexual; o gay não tem outra identidade, o que o transforma em um caso patológico e em um problema de saúde pública.
O dogging gay é a expressão mais degradante da sexualidade de um indivíduo e revela uma doença mental grave. O dogging consiste práticas sexuais casuais entre desconhecidos, na maior parte dos casos em grupos de gays, e em locais públicos. O dogging transforma o ser humano em um animal inferior, e o Jornal de Notícias aprova e divulga.
O Jornal de Notícias ainda não percebeu que o abuso da liberdade de imprensa pode ser justificação para a inibição dessa liberdade.
Em vez de se abster deste tipo de “notícias”, o Jornal de Notícias faz a apologia cultural do dogging. Por exemplo, o facto de existir um grupo sócio-cultural que pratica sexo grupal com animais em locais públicos, não significa que os me®dia transformem esse facto em notícia, a não ser que o Jornal de Notícias pretenda contribuir activamente para a degradação dos costumes.
Através de notícias deste tipo, os me®dia transformam uma prática sexual degradante em algo de perfeitamente aceitável e normal. O que Jornal de Notícias está a fazer é contribuir activamente para a normalização cultural do dogging. E depois, os jornais queixam-se de que estão a perder leitores...!
Este tipo de notícias em jornais de "referência" revelam que a nossa sociedade entrou em decadência acelerada, e alguma coisa tem que ser feita, a nível político, para que essa decadência seja contrariada.